'FINADOS'

Hinários de Finados 4 em 1
Hinários de Finados (4 em 1) - Versão 20
Documento Microsoft Word [444.0 KB]
Baixar

GERMANO GUILHERME

Hinário 'Sois Baliza' - Germano Guilherme
Germano Guilherme - Versão Definitiva.do
Documento Microsoft Word [112.0 KB]
Baixar

 

Germano Guilherme dos Santos nasceu no Piauí, em 28 de maio de 1902. Mudou-se com sua família para Rio Branco, Acre, onde ele viveu trabalhando nas colônias. Ao servir a Guarda Territorial, Germano conheceu Raimundo Irineu Serra, assim como também conheceu o Daime através desse amigo. Não só foi um dos primeiros seguidores do Mestre Irineu, acompanhando-o desde 1928, como foi o primeiro a cantar um hino na doutrina, mesmo que o primeiro hino tenha sido recebido pelo Mestre, duas décadas antes, nas florestas do Peru (1912). Por esse motivo, é tradição no Alto Santo cantar o seu hinário antes do “Cruzeiro”, hinário do Mestre.

Germano Guilherme era um homem de pele negra e dentes alvos, tendo grande carinho pelo Mestre. Eles se chamavam mutuamente de “maninho”.

Nos pedidos com o Daime, pela cura de uma ferida na perna, viu que em uma encarnação anterior havia sido um cruel senhor de escravos, daí não haver cura para a mesma ferida, pois era “sentença”. Por causa disso ele não podia comer certos alimentos, mas quando estava na casa do “maninho” Germano comia de tudo e não sentia nada.

Em 1943 ele desposou uma filha de Antônio Gomes e Dona Maria de Nazaré, Cecília, vinte e seis anos mais jovem que ele e cujo filho de adolescência (que havia gerado com José das Neves) fôra adotado pelo Mestre e sua esposa, Dona Raimunda. A este filho foi dado o mesmo nome do tio materno que o Mestre deixara no Maranhão, Paulo d´Assunção Serra. Nos anos seguintes se mudaram com o Mestre para as terras que este ganhou do governo territorial, primeiramente chamadas de “Alto da Santa Cruz”, e depois de “Alto Santo”, onde passaram a viver em uma comunidade como uma grande família.

Germano Guilherme faleceu em 1964, deixando seu caderno de hinário, o “Sois Baliza”, como um dos alicerces da Doutrina que ajudou a fundar junto a seu amado Mestre.

Fonte: http://hinarios.blogspot.com

 

ANTÔNIO GOMES

Hinário 'O Amor Divino' - Antônio Gomes
Antônio Gomes - Revisão - Out2007.doc
Documento Microsoft Word [171.5 KB]
Baixar

Antônio Gomes da Silva nasceu no Ceará em 30 de abril de 1885. Lá casou-se com sua esposa Maria de Nazaré, e mudou-se para o Pará. Em 1921 veio com toda a família trabalhar nos seringais do Acre, e enviuvou ficando com cinco filhos para criar sozinho. Em segundas núpcias, com Maria Gomes, teve mais quatro filhos. Conheceu a Doutrina do Santo Daime no ano de 1938 e ao falecer em 1946, legou à irmandade o seu caderno de hinário, intitulado "O Amor Divino", composto de 39 hinos. Um outro hino seu, "Senhor Amado", que não faz parte de seu caderno, é o que abre a Santa Missa, compilação de hinos feita pelo Mestre para rituais de velório e homenagens a irmãos desencarnados.

No Acre, embarcações haviam trazido famílias inteiras de nordestinos que fugiam da seca em busca de uma melhor vida na região. "Numa dessas embarcações, relatou dona Zulmira Gomes, papai nos trouxe para cá. Sofremos muito na viagem de navio até aqui, mas chegamos com fé em Deus. Aqui, com uns tempos, papai estava muito doente, sentia uma perturbação no juízo muito forte e eu já estava cansada de tanto correr para aqui e para acolá atrás de uma cura para ele. Compadre Zé das Neves me perguntou se eu não conhecia a sessão de um negro alto que curava na Vila Ivonete. Disse que não. Ele insistiu até que me convenceu a ir até lá. Me apresentei ao Mestre, ele olhou o estado de papai e marcou para a próxima quarta-feira o início do trabalho de cura para ele. Mais ele já saiu de lá melhor e com três sessões de cura ele ficou bonzinho. Aí ele foi e disse que nunca mais abandonaria aquele trabalho", relatou dona Zulmira Gomes.

É no hinário de Antônio Gomes que surge pela primeira vez o nome de "Juramidam", identificado como o nome do Mestre no plano astral. O hino recebido pelo Mestre Irineu "Só eu cantei na barra" foi dedicado a Antônio Gomes. Após o falecimento desse seu querido seguidor, o Mestre se encarregou de sua família a seu pedido, e foram os Gomes um dos pilares centrais de seu centro. Peregrina Gomes Serra é neta de Antônio Gomes e foi a última esposa do Mestre Irineu.

Editado do site: http://hinarios.blogspot.com

 

JOÃO PEREIRA

Hinário 'Seis de Janeiro' - João Pereira
João Pereira - Versão Definitiva.doc
Documento Microsoft Word [131.0 KB]
Baixar

Um dos primeiros membros da Doutrina de Juramidam, João Pereira nasceu em Porongaba, Ceará, no fim do século 19. Não se sabe a data de sua transferência para o Acre, mas ele também serviu na Guarda Territorial junto ao Mestre e Germano, e tocava na banda como músico do quartel. Aliás, ele foi ‘sogro’ do Mestre. Conta-se que João Pereira tinha pouco cabelo, era caboclo e trabalhou como agricultor e carroceiro. João Pereira possui um dos cinco hinários tidos como base da Doutrina. O caderno de hinário deixado por ele foi intitulado "Seis de Janeiro" por conter uma pungente valsa em celebração ao Dia dos Santos Reis Magos. Além destes hinos, João Pereira recebeu o hino que "Oh meu Pai Eterno" no Caderno de Missa é cantado em pé com quatro celebrantes segurando velas acesas em torno da mesa para formar uma cruz. Também teria tido outros hinos, os quais foram em uma correção pelo Mestre foram retirados do caderno e deixaram de ser cultivados. Faleceu em 1954, e depois disso o Mestre se separou de sua esposa Raimunda e toda a família desta deixou o Acre. Mestre Irineu sempre se referia a ele como "o General do Conforto", por aquilo que seu hinário transmitia de bom dentro dos trabalhos em que era cantado.

Editado do site: http://hinarios.blogspot.com

MARIA DAMIÃO

Hinário 'O Mensageiro' - Maria Damião
Maria Damião - Versão Definitiva.doc
Documento Microsoft Word [121.0 KB]
Baixar

Maria Marques Vieira Damião foi uma aluna que trabalhou uns tantos anos com o Mestre. Faleceu em 1949, mas aprendeu muito e recebeu um hinário e por isso será uma pessoa sempre lembrada dentro da Doutrina.

Maria Damião nasceu em Belém do Pará em 1917, e começou a tomar Daime com o Mestre quando tinha dezoito anos. Nessa época já era uma mulher casada. No dia 02 de abril de 1949, Mestre Irineu e seu grupo se despediam de dona Maria Marques Vieira, que carinhosamente era chamada de Maria Damião. Os mais antigos contam que com a morte de seu esposo, o senhor Damião Marques, Maria Damião enfrentou a árdua missão de criar sete filhos. Ela dedicava-se, além da doutrina, exclusivamente ao trabalho com a terra. Plantava, roçava e colhia o pão de cada dia que ajudou a criar seus filhos, relata dona Percília Matos, de quem foi grande amiga. Espiritualmente, Maria Damião recebeu um dos mais belos hinários da Doutrina, hoje batizado como "O Mensageiro", composto de 49 hinos. Seus hinos verbalizam em sua totalidade as palavras do Mestre Irineu. É desse hinário a origem da palavra ‘pátria’ na Doutrina. Maria Damião, através de seus hinos, nos fala do amor à Pátria - terra onde nascemos. 

Seu hinário descreve também a figura de um Chefe Estrangeiro, ser espiritual misterioso, do qual poucos na Doutrina conhecem seu significado e origens. "Retratando essa passagem, o Mestre recebeu o hino "Choro Muito". Ninguém sabia que ela estava doente. Com três dias que saiu esse hino, chegou a notícia que ela estava agonizando. Ela adoeceu repentinamente e morreu com 32 anos.

Editado do site: http://hinarios.blogspot.com

 

www.flordoshinos.jimdo.com